De onde vêm os sabores e aromas do vinho?

Publicado por Ivo Pereira em

Alguma vez te questionaste sobre a origem do sabor dos vinhos ?

Já deves ter ouvido falar de aromas de madeira, frutos e especiarias no vinho, mas  na maioria das vezes nada tem a ver com o facto desses elementos estarem presentes na vinha ou no processo de envelhecimento do vinho (com algumas excepções).. 

É possível cheirar ervas e toranjas ou pétalas de rosa e pimenta num vinho? 

A resposta é  sim. 

Em baixo o nosso guia revela o motivo:

 

Variedade das Uvas

As próprias uvas têm sabores que nos fazem lembrar outras frutas e isso acontece porque os compostos das uvas também se encontram noutros sítios da natureza. Como os químicos compostos encontrados num Riesling também são encontrados na casca de laranja ou elementos da folha de tomate encontrados num Sauvignon Blanc.

Detetar estes compostos apenas nas uvas pode ser difícil, devido ao facto das moléculas dos aromas serem ofuscadas pelo açúcar. É aqui que aparece a magia da fermentação, libertando os compostos e abrindo o nosso cheiro e paladar. Em resumo, se conseguires cheirar é porque realmente “está” lá.

Queres tentar detectar as as notas de sabor das diferentes castas? Descobre vinhos por casta aqui.

 

 

Solo

Este é um tema frequentemente  debatido no mundo do vinho. 

Esta é a nossa opinião:

 Obviamente nunca comeste calcário, saboreaste um pouco de giz, ou degustaste uma ardósia molhada, como dizem os sommeliers. Caso o tenhas feito estás no teu direito - respect!

 Mas os vinhos por vezes exalam  elementos da sua herança geológica.

Por exemplo, os vinhos de Champagne são colocados num pedestal não só pelo seu incrível sabor mas também pelas nuances de calcário em que são cultivados, que conseguimos sentir no paladar.

 

 

Tendo como base o ambiente da vinha, os solos afetam as características sensoriais das uvas através do fornecimento de nutrientes minerais à vinha, assim como o excesso ou a deficiência de minerais podem levar a aromas distintos, como uma sobrecarga de nitrogénio que cria aquele cheiro familiar a feijão verde. Talvez não tão familiar assim, mas tu entendes.

Olhando de forma objectiva, o solo desempenha um papel fundamental na disponibilidade de água para a vinha e tem um impacto direto nos aromas e sabores do vinho. Ao  criar um ligeiro stress hídrico melhora a cor, o sabor, o aroma e a acidez do vinho, o que leva a uma maior concentração do sabor e do cheiro. 

Portanto, embora o sabor do tipo de solo nem sempre esteja em destaque e a interação entre a composição do solo e os aromas do vinho não sejam completamente compreendidos, na nossa opinião é um peça fundamental no puzzle que é a matriz que faz com que os vinhos sejam distintos e elegantes.

 

Clima

Muitos apreciadores atribuem ao clima  um papel importante na composição do aroma dos vinhos. 

Delicado vs ousado, ácido vs maduro. Clima frio vs clima quente. Nenhum deles superior ao outro. Há espaço para todos na nossa garrafeira e em baixo explicamos porquê:

As uvas de climas mais frios não amadurecem tão rapidamente, o que resulta em níveis de açúcar mais baixos e melhor retenção da acidez natural. Estes vinhos podem ser descritos como elegantes e com um caráter fresco, então se és apreciador de sabores de frutas ácidas como citrinos, framboesa, maçã e pêra este pode ser o clima de vinho indicado para ti. 

Também  podes esperar notas de ervas, pimenta preta e as infames notas de “chão de floresta” ou “sous bois” encontradas nos Pinot Noir de Burgundy e nesta coleção da Decantify.

 

 

No outro extremo, encontramos sol, clima consistente e um período mais longo de amadurecimento que tipicamente produz vinhos com corpo e sabores mais fortes. Amadurecendo mais rápido e acumulando mais açúcares, os aromas de fruta são mais ricos, portanto espera frutas com caroço e frutas tropicais para os brancos e fruta preta e de compota para os tintos.

 

 

Embora seja bom detetar que aromas pertencem aonde, é importante notar que a produção de vinho está entrelaçada com os meandros do pH, a taxa da variação de temperatura entre o dia e a noite, continente, altitude e micro climas. E, cada vez mais, as condições vintage, as escolhas vitícolas e as decisões dos produtores confundem os limites dos vinhos frescos e quentes das regiões.

 

Mas no enigmático mundo da produção de vinho há sempre exceções à regra. 

Mas qual a piada de falar sobre o vinho e não provar?  Explora de seguida a nossa coleção de vinhos por notas de prova, e expande o teu paladar.

 

Boas provas! 🍷

A equipa da Decantify!

 

Nós vamos continuar a desafiar-te com informação sobre vinhos inesquecíveis  e a magia dos múltiplos processos que os produzem.  Subscreve a nossa newsletter para continuar esta viagem connosco.

guia notas de prova prova de vinho

← Publicação Mais Antiga